Motivos pelos quais você pode não gostar desta página

e ainda assim atrair visitantes

Voltar antes de ler

Segundo Tarde, a sociedade, enquanto instância privilegiada de mimesis comportamental, pode configurar um padrão de aceitação ou não de um produto, independente se seu consumo for uma pré-condição da existência, como afirma Baudrillard, ou mesmo um fator de distinção social, como define Bourdieu.

Adiantando-se nessa linha de raciocínio, veremos que a não-aceitação sistemática de um produto é tanto um fator de agendamento quanto a indiscutida hegemonia de público de outro. É sabido o poder do discurso interpessoal como elemento de persuasão (Katz) e, da mesma maneira, a atração pelo estímulo negativo (Schopenhauer), de sorte que mesmo uma apreciação negativa da página não pressupõe, a priori, o desinteresse de todo um circuito de relações do qual o internauta é um elemento privilegiado. Assim sendo, não é a aceitação e juízo sobre a página que estão em questão, uma vez que o "enjeu" em questão refere-se muito mais que ao controle de um campo, mas à existência enquanto elemento presente e atuante - o contrário, segundo Sartre, condenaria a página ao esquecimento. Assim sendo, espero que seus amigos internautas também entrem nesta página.

Mutatis Mutandis, a não aceitação desta página enquanto produto mediático de caráter mais ou menos ficcional, cuja utilidade depende de uma procura de dados e informações - aplicar-se-ia aqui o modelo sepstrupiano - a variáveis não apenas sociológicas, mas principalmente psicossociológicas ou ainda, por tratar-se de um consumo individual, algo comparável aos trabalhos de Goffman. Ainda não dormiu?

Voltar agora - é tarde demais...